quinta-feira, 12 de junho de 2014

#EstaTendoCopa e não deveria ser no Brasil - Abertura e Jogo

Como era de se esperar, nosso Brasil conquistou sua primeira vitória na Copa 2014 de uma forma bastante controvérsa para muitos.

A abertura desta Copa foi algo que ficou muito abaixo das espectativas da maioria do povo. Além de ter sido de curta duração, ficou extremamente desorganizado. Foi notório que a estratégia de abertura foi algo como:
 -Corre para o meio de campo e dance aquilo que você sabe!

Foi tudo tão rápido e tão pouco sincronizado, que foi dado apenas 2 segundos de antena para o que era mais aguardado por todos nessa abertura: Um tetraplégico chutando uma bola de futebol. 


O figurino ficou algo estranho. Se não fosse nossa belíssima comentadora nos traduzindo o que eram, pensaria que tinhamos uma invasão de  brócolis em campo:


E estaria até agora tentando entender o que era isto:




Achei completamente sem noção e vergonhoso ao ver Claudia Leite rebolando até o chão. Quem estava sem audio deve ter se perguntado se o Tchan estava tocando no estádio.


Ainda no final da abertura os apresentadores da Globo ficaram "esperando" o que iria acontecer a seguir... mas o "a seguir" não veio, e o tapete começou a ser removido do campo.

E como nem tudo foi tão vergonhoso, heis o melhor (e único) grande momento do dia de hoje. Um momento que me arrepiou e me fez suar dos olhos. Apesar de tudo, o Brasil é o meu, o nosso País...!




Quanto ao jogo, o Brasil de um modo geral ficou aquém das espectativas, jogando mal e por vezes com o nervosismo tomando conta do jogo.

Começando pelo 1º gol da Croácia que nasceu de um contra-ataque pela esquerda, já que nosso lateral subiu e ninguém repôs a posição dele. Gol da Croácia. Tudo muito básico, muito fácil.

Vimos o perdão que o árbitro deu a Neymar, quando o mesmo deveria ter sido expulso por ter agredido de forma intencional seu companheiro croata com uma cotovelada.

Vimos o árbitro dando um penalty inexistente. O erro foi tão evidente e tão infantil que é dificil compreender como isso aconteceu, ainda mais com uma pessoa que é juiz profissional.

E para finalizar, os melhores momentos do jogo, além do hino nacional:



O dia valeu por ter me divertido com os amigos, visto muita mulher gostosa, e ter comprovado que mulher realmente não entende nada de futebol. O que sabe fazer é gritar de forma estérica, como uma galinha, quando o Brasil vai pro ataque.


7 comentários:

  1. Abertura de Copa é sempre uma bagunça mesmo.

    Quanto ao jogo, importante lembrar que tratava-se da estreia, onde o nervosismo ficou bastante evidente. Ganhamos, é o que importa.

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Estou com um projeto em andamento que promete revolucionar a vida do homem contemporâneo, esmagado atualmente pela sociedade bucetista. Viver na selva. Isso liberará todos os fluídos esquecidos pelo seu corpo e cérebro há milênios. Você será outra pessoa e e desenvolverá instintos animalescos capazes de superar qualquer problema.

    Pense, se você for capaz de viver na selva, sem ajuda nenhuma, tendo que matar ursos para sobreviver, fugir de lobos, matar leões, você será capaz de tudo. Já viu esses caras que vivem em florestas, matutos mesmo, já viu como são destemidos? A única coisa que os prejudica é que são ignorantes. No nosso caso, não vai ser assim porque somos urbanizados.

    Quando voltarmos de nossas temporadas na selva seremos rei nas cidades. Encararemos quaisquer desafios. Nós, no meio urbano desenvolvemos fobias e medos ridículos de quaisquer coisas, as quais no tempo do paleolítico, eram devidamente justificados por conta das situações extremas pelas quais passávamos.

    Então, cara, vivendo na selva, redirecionaremos esses instintos para as situações para as quais eles são naturalmente intrínsecos. Já tentou fazer uma fogueira no quintal da sua casa com um pedaço de galho seco e palha? Experimente e verá como é difícil. Eu demorei 14 horas tentando fazer isso esses dias.

    Muitas pessoas reclamam da vida, mas se esquecem de que o homem do paleolítico tinha muito mais dificuldades. A sobrevivência era de uma dificuldade extrema. Pessoas hoje se estressam por pouca coisa. Temos várias facilidades, muito comodismo e nos alimentamos muito mal. Nosso instintos ficam presos e são aplicados a coisas que não têm nada a ver com a real natureza deles.

    Eu já fiquei acampado em um matagal perto da minha casa por uma semana. Eu mesmo fiz uma cabana com folhas de palmeiras que achei por lá. Aprendi a fazer telhas com bambu e vedar tudo para que a água não entrasse. Consegui água da chuva que escorreu pelas telhas. Colhi goiaba de uma árvore que tinha aos arredores e consegui matar um passarinho. Foi foda. A fogueira consegui fazer depois de muito tempo. Demorou uns três dias, mas consegui. Defumei a carne para que ela durasse por um bom tempo.

    No lugar onde eu acampei não tinha muita coisa para caçar e comer. Mas estou planejando me isolar em uma ilha ou em uma mata fechada. Essa experiência que tive deu para ver como é o impacto de viver só, isolado no meio do nada. Mesmo a civilização estando a um quarteirão dali. A sensação é única. Noite ao relento, medo, tudo em estado de alerta. Definitivamente é uma experiência sem igual.

    Não vejo a hora de me isolar como um verdadeiro homem do paleolítico. Esse movimento de viver como o homem das cavernas está tomando conta do mundo. Vide séries de sucesso como Bear Grylls, Largados Pelados, Ed Stanford, Sobreviva Se Puder, Survivorman, Viver Para Contar, etc.

    Adquirindo e redirecionando instintos comuns ao Paleolítico, o homem se tornará muito mais homem. Eu só tenho medo de gostar tanto de viver como homem paleolítico e não voltar mais para a civilização. Deve ser muito bom viver ao relento, tendo que caçar para sobreviver, vivendo como se cada dia fosse o último.

    Terminei um curso de sobrevivência dado pelo exército e no final do ano já estarei partindo. Ainda não sei o destino corretamente. Mas será no na mata atlântica brasileira no Amazonas, Nova Zelândia, África ou em alguma ilha do pacífico. Vai ser demais. Sinceramente, tenho certeza de que não voltarei mais. Ainda mais se for em alguma ilha. Abraços.


    Hater do Caralho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O panaca assistiu Into the Wild e ficou deslumbrado. Pena que desligou antes do final! hahaha!

      Excluir
  3. Não sei qual o motivo da implicância com a reboladinha da Claudia. Jennifer Lopez estava bem mais decotada e ninguém reclamou. É incrível o preconceito do brasileiro contra si mesmo.

    Ri alto com a invasão de brócolis! hahahaha!

    ResponderExcluir
  4. Ver mulher gostosa é sempre bom.

    Esse papo de viver somente da natureza parece coisa de doido.....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. seria legal fazer isso, mas seria uma vida solitaria. mulher gosta de gastar dinheiro com merda no shopping. levar uma mulher pro meio do mato e viver por la, so sendo uma maconheira maluca ou uma biologa pirada... e olhe la!

      Excluir
  5. João da Silva Santos14 de julho de 2014 02:53


    Sou negro e cresci na favela. Sou feio, e sempre tive inveja dos brancos malditos que tem a sorte de terem lindas loirinhas a sua disposição.

    Com muito suor e dedicação melhorei de vida e saí da favela. Continuei vivendo na periferia, mas pelo menos eu me alimentava e me vestia dignamente.

    Há 1 ano e meio conheci uma loirinha no baile funk que trabalhava como recepcionista e dei a sorte de ficar com ela. Nós acabamos construindo um relacionamento e ela engravidou. Nosso filho nasceu saudável e bonito, tudo parecendo um sonho.

    Hoje, após voltar mais cedo do trampo no metro lotado (percebo que as pessoas sentem nojo de mim pois sempre volto fedendo do serviço), chegando na frente de casa, vi uma BMW muito gringa estacionada na frente da minha casa.

    Ao entrar ouvi sussurros e gemidos e também meu filho chorando, e o tirei do berço. Encontrei a porta entreaberta e me choquei com a cena que vi: Um homem branco (com pinta de galã), bebendo o leite que saía dos grandes seios daquela meretriz. Por que ele e não eu? SEMPRE tive a fantasia de mamar leite dos seios, e o cara estava ali se DELICIANDO com aquilo. Além disso eu ouvi ela falando: "Mama! mama, seu gostoso! Isso aqui é só seu, chefe. Não daquele preto feio imundo!"

    Isso me destruiu de ódio, inveja, vergonha e tristeza. Todas essas sensações ao mesmo tempo.

    Se não bastasse meu filho estava chorando de fome no meu colo enquanto eu tudo acontecia. Saí de casa com meu filho, destruído, humilhado. No momento estou em uma lan house contando minha situação.
    E agora? O que eu faço?

    ResponderExcluir